sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Memórias de Música - 3 (actualizado)


Ouça o Tempo é de Guerra


A sudoeste / O tempo é de guerra, single de 1977 é o sexto e último disco de Vieira da Silva, editado pela Valentim de Carvalho.
Este seu último disco é sem dúvida o melhor de quantos gravou; quer ao nível poético, quer musical, quer ao nível da qualidade de gravação e produção.
A orquestração e direcção musical é da responsabilidade de José Cid e nos acompanhamentos figuram nomes como: Guilherme Scarpa na percussão, Zé Nabo viola-baixo, Zé Carrapa viola-solo, José Cid moog, cravo e órgão electrónico além do próprio autor guitarra acústica e Edite Vieira da Silva nos coros.
Cantautor e autodidacta na música, começou a gravar em 1969 na linha do chamado movimento dos baladeiros (balada de Coimbra). É citado pelos historiadores da música popular portuguesa como Mário Correia e Eduardo Raposo entre outros. É sempre referenciado em livros que tratem a temática da música portuguesa de antes do 25 de Abril, como a colecção os anos de Salazar.
Dos chamados cantores de intervenção, Vieira da Silva é dos melhores depois de nomes como Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Zé Mário Branco, Fausto, Fanhais, Manuel Freire que com ele actuaram por este país afora.
A sudoeste… como aliás todos os outros trabalhos discográficos de Vieira da Silva estão esgotados e infelizmente não houve reedições.
Vai sendo tempo de recuperar o património poético e musical deste autor com um concerto ao vivo gravado para memória futura. A geração vindoura agradece.

João Balseiro

(Por lapso a versão que se podia ouvir não correspondia à que efectivamente constava do disco referido, fica assim correcta a referência. - RC)

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Terranova

Hoje, das 19:00 às 20:00, na Rádio Terranova e no programa Falar Claro estarei a comentar a actualidade. Hoje pouco escrito e mais do que é levado pelo vento. Pode ouvir a Rádio Terranova com a aplicação que encontra na coluna da direita ou então acedendo ao sítio da própria rádio.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Memórias de música - 2 (actualizado)

200810282223.jpg


[...]
Lava bancos e empresas
dos comedores de dinheiro
que dos salários de tristeza
arrecadam lucro inteiro

Lava palácios vivendas
casebres bairros da lata
leva negócios e rendas
que a uns farta e a outros mata
[...]


Publicar memórias de música teria que começar por aqui. Ajusta-se aos tempos que vivemos.
Sobre o Adriano outros poderão dizer de sua justiça. Eu digo simplesmente que gosto.

Este post cresce agora com o comentário que o meu amigo João Balseiro teve a gentileza de enviar.
--------------
Que nunca mais
É um disco de 1975, o primeiro editado por Adriano Correia de Oliveira depois do 25 de Abril.
Adriano depois de ter cantado Manuel Alegre em dois discos faz o mesmo neste disco com Manuel da Fonseca. Todos os textos são deste escritor e poeta do neo-realismo e todas as músicas são do Adriano.
Este é um disco desequilibrado. Com fortes influências da época, algumas canções são bastante panfletárias exemplos: as balas, no vale escuro, dona abastança e prà frente, mas com 3 pérolas na obra do Adriano: Tejo que levas as águas, tu e eu meu amor e cantiga de montemaior.
A direcção musical é de um grande nome da música portuguesa: Fausto e para além de Júlio Pereira nos acompanhamentos tem a participação raríssima de Carlos Paredes. Creio mesmo que Mestre Paredes só participou neste disco de Adriano dada a enorme consideração que existia entre os dois.
Adriano Correia de Oliveira é um cantautor injustamente esquecido.
Que nunca é demais ouvir.



terça-feira, 28 de outubro de 2008

Volta Bagão...

Na Sic Notícias estou a ouvir um rapaz do PPD e o ex-MRPP Saldanha Sanches a comentarem o facto de o Governo Sócrates adoptar os normativos de Bagão Felix. Os dois concordam. Num país em que um Belmiro de Azevedo não consegue discordar de um governo supostamente socialista ficamos a saber que já não há vergonha na cara. Como diria um amigo meu anda por aí uma gentinha "sin verguenza"... Se tivéssemos um parlamento com gente decente não teríamos o Manuel Alegre a atirar pérolas a porcos, infelizmente literalmente...


A este propósito, ou para aí caminhando, leia-se na íntegra o que Manuel Alegre escreveu no DN de hoje.



Sinais dos tempos

Durante anos tem havido os talvez bem intencionados que defendem que a escola é um espelho da sociedade. Eu pensei sempre que a escola deveria ser espelho da sociedade que queremos para o futuro. Enfim, já nada me espanta. Este e outros governos abriram a caça aos professores sem compreender que degradar o estatuto dos professores destrói todo o potencial da classe para cumprir a sua missão. Perdão, tarefa que hoje é isso que alguns defendem. Ai dos vencidos, mas acima de tudo ai dos ignorantes.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Era uma vez...

Já lá vão uns anos que esta coisa dos blogues começou e nós fomos dos primeiros. Felizmente, há quatro anos, quando o Briteiros, agora em hibernação, começou tive a sorte de ter o José Aleixo Martins a pôr ao serviço de todos as suas extraordinárias qualidades pessoais e profissionais. Foi assim que o Briteiros foi um dos primeiros, talvez mesmo o primeiro tanto quanto sabemos, a ter três colunas na blogosfera portuguesa. Foi um sossego para mim não ter que estudar essas coisas de DIVs e quejandos... Com este Bandarilhas de Esperança a coisa é diferente e, muito embora esteja aberto a participações de outros, esta coisa da "chapa" ficou a meu cargo. Burro velho.... mas que remédio.


Insatisfeito com as "templates" que o próprio blogger fornece comecei por apreciar as imensas potencialidades  que estão ao nosso dispor. Para ver soluções variadas recomendo:


 http://www.zimbio.com/Free+Blogger+Beta+Template/articles/163/125+More+Excellent+Blogger+Templates+Best


http://www.hongkiat.com/blog/50-most-beautiful-blogger-templates/


http://www.hongkiat.com/blog/29-beautiful-blogger-templates/


Por aqui já se fica com uma ideia das muitas possibilidades. Depois vem o problema mais bicudo: como alterar o modelo. Aqui entra em acção o blogue mais feio e aparentemente caótico que encontrei, mas simultaneamente o mais útil desde que exaustiva mente explorado.  Chama-se em tradução muito livre Blogger para Tolos e pode ser encontrado aqui: http://betabloggerfordummies.blogspot.com/. Conjuntamente com o Blogger Buster ficou tudo praticamente arrumado. Não resisti a inserir o Blogumus para apresentar as etiquetas. Para algumas dicas também vale a pena consultar o http://blogging.nitecruzr.net/ e finalmente não posso deixar de referir que é mesmo conveniente guardas o código do blogue porque às vezes há acidentes...

Pausa

Na busca de soluções para o aspecto gráfico e a "chapa" de base do blogue nem tenho tido tempo para escrever. O próximo post vai conter uma lista exaustiva de sítios e recursos usados e que poderão ser úteis para outros bloggers.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Mais um teste...

"D. Januário Torgal Ferreira, bispo das Forças Armadas e de Segurança, começa por perguntar se estamos a falar daquele "sketche" em o Ricardo Araújo Pereira diz "em nome do pai". Diante da resposta afirmativa, comenta: "Tenho de dizer que o vi . Habitualmente entro em colisão com determinadas formas de pensar, mas esse em nada me feriu. Quem não tiver humor que não veja."

É este mesmo o meu ponto de vista...


Portugal penhorado


Aqui está a parcial situação em que se encontram os portugueses face ao Estado. Cada ponto significa algo que as Finanças estão a vender... Preocupante.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Que novidade

Já vai sendo cansativo ouvir, sempre como grande novidade, aquilo que quase todos sabemos: Portugal no topo das desigualdades da OCDE. É notícia de Última Hora do Público .
Levante o braço quem não sabia isto, ou os dois milhões que por aqui vivem na pobreza à portuguesa e que noutros lados se chamaria indigência.

Memórias de Música - 1


Grande CD duplo este do concerto para o Bangladesh. Passou-me assim para a mão e acabei a recordar o quanto sempre me agradou o Here Comes the Sun. Outros tempos em que a preocupação com a euribor era suplantada por preocupações reais cm problemas reais.

 

domingo, 19 de outubro de 2008

Cada macaco...

Por outro lado...

Parece que na blogosfera circula uma convocatória para manifestação de professores em Lisboa. Tem algo de curioso este poster que me entrou pela caixa de correio: é anónimo. Quem convoca a manifestação?
Será aquela maioria tão silenciosa quando há anos se iam alertando os colegas para o que aí vinha e se recebia a invariável resposta: Isso não é para nós...


Humor


Palavras para quê?

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

In money we trust

Este merece comentário...

Magellan

Levanta celeuma o video apresentado no blogue Sinistra Ministra. Aí se vêem imagens de uma formação organizada pelo Ministério da Educação. Sobre este mesmo assunto circula na net uma carta assinada por um professor e que aborda estes mesmos assuntos. Não posso deixar de admirar a coragem deste homem que resiste e diz não quando todos acatam.
(Para ver o documento em tamanho real basta clic no canto superior direito da janela Scribd - Este documento foi reenviado e recebido por mail e com pedido de divulgação do autor)

Porquê este acatar, mas espetar o ferrão sempre que possível?



O clima de medo e de ameaça entre aqueles que deveriam ser exemplos de cidadania levou a que vários videos  disponíveis no youtube tenham já esta manhã sido retirados pelos próprios. Bom exemplo é que até os mais inocentes dos videos, vistos por escassas centenas de internautas tenham sido retirados e as contas de utilizador fechadas.... Exemplo do clima de medo e intimidação que alguns professores sentem nas suas escolas.
 Parafraseando o Ary, professores castrados, não!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Tourada

Não importa sol ou sombra, camarotes ou barreiras
Toureamos ombro a ombro as feras
Ninguém nos leva ao engano, toureamos mano a mano
Só nos podem causar dano esperas

Entram guizos, chocas e capotes e mantilhas pretas
Entram espadas, chifres e derrotes e alguns poetas
Entram bravos, cravos e dichotes porque tudo mais são tretas

Entram vacas depois dos forcados que não pegam nada
Soam bravos e olés dos nabos que não pagam nada
E só ficam os peões de brega cuja profissão não pega

Com bandarilhas de esperança, afugentamos a fera
Estamos na praça da Primavera
Nós vamos pegar o mundo pelos cornos da desgraça
E fazermos da tristeza graça

Entram velhas, doidas e turistas, entram excursões
Entram benefícios e cronistas, entram aldrabões
Entram marialvas e coristas, entram galifões de crista

Entram cavaleiros à garupa do seu heroísmo
Entra aquela música maluca do passodoblismo
Entra a aficcionada e a caduca mais o snobismo e cismo

Entram empresários moralistas, entram frustrações
Entram antiquários e fadistas e contradições
E entra muito dólar, muita gente que dá lucro aos milhões

E diz o inteligente que acabaram as canções

La la la la la la la la la la... la la la la la...

Farpas

Farpas bandarilhas e ferros, tudo imagens de significação múltipla. Da crítica política à análise social...