sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Face oculta

Não conseguimos investigar com a celeridade possível e quando, finalmente, décadas depois, há julgamento mais parece um baptismo porque sai tudo livre de pecado original. Temos que reconhecer que aquilo para que temos mesmo jeito é para dar nomes a operações policiais. Valha-nos isso.

É a piolheira do costume.

Sem comentários: